Arquivo da tag: Saúde

Para o mundo que eu quero descer!

EXTRA! EXTRA! Os pais chuparem os bicos dos filhos faz bem à saúde deles!

Você não leu errado! Hoje meu marido me provou cientificamente que o péssimo hábito que ele tem de limpar o bico do meu filho com a própria saliva e também o de verificar a temperatura do leite da mamadeira provando ela direto do bico são ótimos para o Pedro!

Esse porquice hábito – segundo um estudo publicado na “Physician’s First Watch” hoje (07.05.2013) – é formidável, já que os filhos de pais que “limpam” os bicos deles com a própria saliva possuem um risco menor de desenvolver asma e equizema (alergia) e que este (arghhhhh) hábito acelera o desenvolvimento da “flora microbiana da orofaringe”, ou seja, deixa os bebês mais protegidos contra doenças respiratórias.

Mas quem diabos foi pesquisar isso? Conclui que meu marido não está sozinho neste mundo (devem existir outros pais como ele, porque mães eu duvido!). Aliás, ainda desconfio fortemente que ele tenha encomendado essa pesquisa! Rsrs

Por fim, tenho certeza de que só lendo para crer por isso, se você – como eu – não acreditar : leia a íntegra do artigo aqui !

O guri com mais anticorpos do mundo!

O guri com mais anticorpos do mundo!

1 comentário

Arquivado em Artigo Científico, Saúde

Artigo| O terrorismo do cordão umbilical

Muito bom artigo!

Importantíssimo divulgar.

Não deixem de ler:

Artigo| O terrorismo do cordão umbilical.

Beijão e ótima semana!

A escolha sempre será sua! A Fernanda Lima optou pelo http://www.hemocord.com.br

A escolha sempre será sua! A Fernanda Lima optou pelo http://www.hemocord.com.br

 

Ainda sobre a polêmica do congelamento do cordão umbilical :

http://nascemothercare.wordpress.com/2013/01/21/congelamento-de-sangue-do-cordao-umbilical-do-bebe-divide-posicoes/

 

5 Comentários

Arquivado em Gestação

Estudo sobre a validade do treinamento do sono infantil

Qual a validade e quanto vale a pena o “treinamento” do sono infantil? Quase todas as mães já leram ou ouviram falar nos livros “Nana nenê” e “A encantadora de bebês” entre outros que doutrinam, grosso modo, que é preciso deixar o bebê chorando no berço para que ele “aprenda a dormir sozinho”.

O treinamento do sono infantil consiste em estabelecer uma rotina de sono e praticar o “conforto controlado” (pais respondem ao choro de seu bebê em intervalos crescentes de tempo) ou o “acampamento no quarto” (os pais vão se afastando do berço cada vez mais até que seu bebê aprenda a cair no sono sozinho).

Particularmente, considero óbvio que se você deixar o seu bebê no berço sozinho na hora de dormir, por mais que ele chore, mais cedo ou mais tarde vai acabar pegando no sono. No entanto, acho complicado na prática deixar o bebê sozinho no berço aos berros e ficar ouvindo do outro lado da porta! Por isso nunca apliquei tais métodos ao meu filho e ele dorme muito bem, obrigada!

A esta altura o leitor já reparou que não simpatizo com os métodos pregados pelo Nana-Nenê e pela “Encantadora” de Bebês, aquela que resolve “todos os seus problemas” (mas que mesmo após ter ficado milionária continua com um cabelo horrível, então como confiar numa mulher dessas???).

Bom, brincadeiras a parte, o fato é que você pode amá-los ou odiá-los, mas – diferentemente do que vinha sendo dito – os tais “métodos” pregados por esses livros não causam danos (tampouco benefícios) efetivos para a formação psico-social da criança.

Um estudo australiano realizado com 225 famílias concluiu não haver evidências de diferença a longo termo nas crianças cujas famílias adotaram o treinamento do sono infantil e àquelas praticaram os cuidados costumeiros. Essa diferença, ou melhor, a ausência dela, inclui: conduta emocional e comportamento dos pequenos; problemas de hábitos de dormir; função psicossocial; níveis de stress crônico entre os pais que adotam algum  desses métodos e os que não o fazem; aproximação pais-criança; conflitos de relacionamento; relacionamentos globais da criança;  inibição de afeto; e níveis de depressão, ansiedade e stress nos pais; ou paternidade autoritária.

A conclusão do estudo é de que as técnicas de treinamento de comportamento infantil para o sono não possuem efeitos de longa-duração, positivos ou negativos e, assim, os pais e cuidadores podem utilizar sem medo tais técnicas para reduzir a curto e médio prazo problemas de sono do bebê e de depressão materna, sem a preocupação de que suas crianças fiquem “traumatizadas” no futuro.

Respondendo a pergunta inicial, sim, o treinamento do sono é válido, pois não faz mal a quem queira e se sinta bem em adotá-lo. Quanto a valer ou não a pena, depende apenas do quanto os pais queiram e se sintam confortáveis em adotar tais técnicas, não esquecendo que a depressão materna (que geralmente é a depressão pós-parto) possui também outras causas além da abstenção de sono da mãe que devem ser bem observadas, para que sejam devidamente tratadas.

Fonte: 

http://pediatrics.aappublications.org/content/early/2012/09/04/peds.2011-3467.abstract

A matéria “Berreiro Liberado” da revista VEJA de 19/09/2012

Esta mesma pesquisa também foi citada em uma matéria da revista Veja que concluiu que “o melhor é segurar a ansiedade e deixar o bebê chorar, como se o pranto fosse uma agradável canção de ninar”. Em primeiro lugar não entendo que a pesquisa tenha demonstrado isso, pelo contrário, foi verificado que não existe um a diferença entre deixar ou não a criança chorar, não existe uma “fórmula” que funcione de maneira uniforme para todos os bebês. Além disso, para algumas mães (meu caso) a ansiedade só aumenta com o choro e o bom e velho “colinho” funcionou muito bem para acalmar o meu bebê, cortando o mal na raiz, afinal “chorar e coçar, é só começar”!!!

Pedro, Nonouse e o soninho dos anjos!

Pedro, Nonouse e o soninho dos anjos!

4 Comentários

Arquivado em Saúde, Sono

Sal é vilão também para os pequenos!

A ingestão excessiva de sódio entre crianças e adolescentes está associada a maiores riscos para hipertensão, especialmente em crianças acima do peso e obesas.

A conclusão é de um estudo americano realizado com participantes entre 8 e 18 anos, em um grupo no qual 1/3 se encontrava acima do peso ou era obeso. Níveis elevados de consumo de sódio foram significativamente associados com níveis pressóricos elevados entre aqueles acima do peso e obesos, mas não nos participantes de peso normal.

Os autores do estudo apontam que esses participantes com elevados níveis pressóricos  geralmente consomem tanto sódio quanto os adultos.

Por isso é bom continuar de olho nos rótulos dos produtos e lembrar que as quantidades apontadas como ideais consideram um adulto e não uma criança, conforme já havia chamado atenção no post link.

Tem coisa mais doce?

Tem coisa mais doce?

Fonte:

http://www.usatoday.com/news/nation/story/2012/09/17/high-salt-intake-in-children-linked-to-high-blood-pressure-study-shows/57792472/1

Deixe um comentário

Arquivado em Alimentação, Saúde

Benefícios da circuncisão superam danos

A American Academy of Pediatrics (AAP) afirma que os benefícios da postectomia (circuncisão) em recém-nascidos superam os danos causados, razão pela qual recomendam que este procedimento se torne acessível às famílias que queiram.

Estes benefícios consistem em: menores riscos de infecção urinária antes de 1 ano de idade; redução dos riscos de infecções por doenças sexualmente transmissíveis; e menor probalidade de câncer de pênis na vida adulta.

Entretanto, a AAP não recomenda a circuncisão como rotina sem uma indicação médica, afirmando que a escolha pela cirurgia por motivos religiosos e sem uma indicação médica específica, é uma decisão dos pais.

A circuncisão por indicação médica é normalmente feita nos casos de infecção do pênis (bálano-postite) ou fimose patológica, ou seja, ausência de retratilidade do prepúcio em crianças mais velhas e adolescente. No recém-nascido é comum a ausência de retratibilidade e por isso não se deve forçar o descolamento do prepúcio, que ocorre naturalmente com o passar dos anos.

O assunto é polêmico e qualquer decisão deve ser discutida com o médico e, principalmente, conjuntamente entre os pais.

Fontes:

Artigo da AAP publicado online na PEDIATRICS em 27/08/2012 (PEDIATRICS Vol. 130 No. 3 September 1, 2012 pp. 585 -586)

Texto: “Circuncisão: riscos e benefícios” – linkhttp://www.mdsaude.com/2011/05/circuncisao.html#ixzz26FsOQJrv

Primos

Primos brincando no feriado de 7 de setembro de 2012 – Praia do Santinho, SC

Deixe um comentário

Arquivado em Beleza & Saúde, Saúde

Suplemento de ácido fólico na gravidez não possui contra-indicação e é gratuito

No último dia 29 a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) lançou uma nova campanha para reforçar a recomendação para consumo de suplementos de ácido fólico (400 microgramas por dia) ao menos um mês antes de engravidar e durante o primeiro trimestre de gestação (período em que o tubo neural está em pleno desenvolvimento).

O uso do ácido fólico se justifica porque previne a anencefalia e a espinha bífida, ambos defeitos de fechamento do tubo neural, melhor explicados na nota que transcrevo no final deste post.

Algo muito legal e que fiquei sabendo agora é que o ácido fólico é GRATUITO, como parte da política de atenção à gestante. É distribuído pelos Postos de Saúde, bastando uma prescrição que pode ser do seu médico ou mesmo do enfermeiro ou nutricionista do Posto. Ainda, o ácido fólico distribuído nos Postos de Saúde é fabricado pelo laboratório da Fundação Oswaldo Cruz, que produz medicamentos de ponta. POR ISSO DIVULGUEM!  Muitas pessoas que precisam não possuem essa informação!!!

Nos termos do jornal O Estado de S. Paulo, “O tubo neural é a estrutura que dará origem ao sistema nervoso central do bebê, incluindo cérebro e coluna. Sua formação ocorre entre o 17.º e o 30.º dia após a concepção. Estima-se que 1 em cada mil bebês nasçam com espinha bífida ou desenvolvam anencefalia, uma malformação incompatível com a vida. Pesquisas apontam que o consumo de ácido fólico reduz em até 75% o risco de o bebê nascer com esses dois problemas. Em 2002, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a adição de 4,2 mg de ferro e de 150 mg de ácido fólico para cada 100 g de farinha de trigo e de milho. A intenção era reduzir a prevalência de anemia por deficiência de ferro e prevenir defeitos do tubo neural. O ácido fólico é uma vitamina do complexo B e atua no processo de multiplicação das células e na formação de proteínas estruturais e da hemoglobina. Sua forma natural, o folato, pode ser encontrada em vegetais de folhas verde escuras, como couve, brócolis e espinafre, mas não nas quantidades necessárias para prevenção dos problemas.”

Pedro com gel no cabelo, domingo 2 de setembro de 2012

Pedro com gel no cabelo, domingo 2 de setembro de 2012

Deixe um comentário

Arquivado em Gestação, Saúde