Arquivo do mês: novembro 2011

Pausa para Chico Buarque

"Eles que não inventem de batizar meu irmão de Francisco...Senão já viu: Chico Bento"

Eu, eu sou um jumento

Não sou bicho de estimação

Não tenho nome, nem apelido

Nem estimação

Sou jumento e pronto

Na minha terra também me chamam de jegue

E me botaram pra trabalhar na roça a vida inteira

Trabalhar feito jumento

Pra no fim… nada

Minha pensão, nem uma cenoura

Acho que é por isso que às vezes também me chamam de burro

Eu nem me incomodo

Mas outro dia

Eu tava subindo o morro com quinhentos quilos de pedra no lombo

Tava ali subindo quando ouvi um paid’égua falar assim: “Mas que mula preguiçosa sô!”

Fui ver e a mula era eu

Aí eu parei: Mula! É demais! E resolvi dar no pé

Tomei a estrada que leva à cidade

E fui seguindo naquela escuridão

Naquela humilhação

Naquela solidão que nem sei

Não sou disso não

Mas me deu uma vontade arretada de chorar

E chorar, e chorar aos soluços

E pensava com meus borbotões

Jumento não é Jumento não é

O grande malandro da praça

Trabalha, trabalha de graça

Não agrada a ninguém

Nem nome não tem

É manso e não faz pirraça

Mas quando a carcaça ameaça rachar

Que coices, que coices

Que coices que dá

Essa pequena historinha é a letra da música “O Jumento” do Chico Buarque que está no Musical “Os Saltimbancos”. Reza a lenda que o Chico, exilado na Itália, viu o musical infantil com letras de Sergio Bardotti e música de Luis Enríquez Bacalov e resolveu fazer sua versão em português, colocando algumas músicas a mais e mais um muito de sua genialidade.

O musical dos italianos havia sido inspirado no conto Os Músicos de Bremen dos Irmãos Grimm e adaptado com um viés político que o Chico na época (anos 70), sem maiores dificuldades, sendo quem era, logo transpôs para a realidade brasileira. O resultado foi felicíssimo e até hoje o musical faz um sucesso danado.

A primeira montagem foi histórica, no Canecão, com Marieta Severo como gata, a Miúcha como galinha e o Grande Otelo como cachorro. No coro infantil alguns filhos de artistas, entre eles a Bebel Gilberto, então bem pequerrucha. Vendo a foto dessa gente toda no encarte eu fico imaginando que toda a montagem desse espetáculo e os ensaios devem ter sido uma diversão enorme. Imagina trabalhar com uma turma assim com tantas pessoas talentosas, mais um monte de crianças e em cima de músicas do Chico? Deve ter sido fantástico.

Minha mãe conta que nos levou ao musical no Canecão, eu não lembro pois era muito pequena. Mas lembro muito bem do LP dos Saltimbancos que tocou muito na nossa “eletrola”. Minha música preferida era a dos gatos “Nós gatos já nascemos pobres, porém, já nascemos livres”. Mas sabia de cor e salteado TODAS e até hoje elas martelam na minha cabeça como uns “Ponêis Malditos” do bem. Mais ainda depois da maternidade, pois voltei a escutá-las com o Pedro.

Pois é, eu como todas as mulheres do Brasil, sempre encontro uma música do Chico que encaixa perfeito no momento em que estou vivendo. Só que entre tantas músicas lindas, nesses últimos dias eu estava me sentindo o perfeito jumento e a própria Geni! Então essas músicas ficavam martelando no meu cérebro. “Trabalha, trabalha de graça” e “Joga pedra na Geni”. Final de ano é sempre assim para todo mundo. Estoura um monte de coisas de tudo que é lado, a gente trabalha horrores, a coisa parece que não rende, não vai ter fim e o povo em geral tá estressado e sai descontando no primeiro que vê pela frente, que geralmente é você!

Mas, antes que a carcaça ameaçasse rachar, eis que surge um showzinho do Chico Buarque, para lembrar que “pelo menos uma vez na vida eu vou levar a vida que eu pedi a Deus”! E foi assim que aconteceu, depois de uma semana bem estressante sem babá (parte boa!), sem sogra, sem mãe e com muito trabalho dentro e fora de casa, não apenas surgiram os ingressos a tanto tempo comprados e por isso até esquecidos e – muito mais importante – surgiu um “cuidador” para o Pedro, o que nos permitiu uma pausa luxuosa na rotina para ver e ouvir o Chico.

Participar de um show com tanta poesia é um carinho na alma. Sei que soa clichê feminino, mais é inevitável: o Chico nos entende tão bem, porque na realidade somos na essência todas muito parecidas. Somos Bárbaras, para as quais nunca é tarde e nunca é demais. Somos a Noiva da Cidade que com a janela escancarada quer dormir impunemente. Somos fortes Helenas, Mulheres de Atenas. Somos Aquela Mulher que quando está com o ser amado não cuida do mundo um segundo sequer. Somos a Rosa que arrasa o projeto de vida e depois some na madrugada. Somos a Ana de Amsterdam que arriscou muita braçada na esperança de outro mar. Somos a Beatriz que vai ensinar a não andar com o pé no chão. Somos a Rita que se foi sem levar um tostão mas causou perdas e danos. Somos a Carolina que guarda nos olhos toda a dor desse mundo. Sentimos a dor da Angélica que não pôde agasalhar seu anjo e deixar seu corpo descansar. Também somos a Iracema que tem saído ao luar com um mímico e ambiciona estudar canto lírico. Somos a suave Cecília que deve ser apenas susurrada, pois nem mesmo as sutis melodias merecem seu nome espalhar por aí. Somos a Joana que geme de loucura e torpor. A  Ligia de olhos morenos que metem mais medo que um raio de sol. A Luiza para quem foi guardado mais de sete mil amores. Por isso esses poemas todos e outros mais, assim como aconteceu com a Teresinha, se instalaram como um posseiro dentro de nossos corações!

E por tudo isso e simplesmente por isso passei de Geni-Jumento à minha realidade de mulher-do-Poliana-mãe-do-Pedro ou seja lembrei que eu era a mulher mais feliz do mundo e estou com todo o gás para encarar esta finaleira de ano!

"Eles que não inventem de batizar meu irmão de Francisco...Senão já viu: Chico Bento"

Deixe um comentário

Arquivado em Música, Poesia

Querido Pedro, que hoje completa 1 ano

NOSSO QUERIDO FILHO que hoje completa 1 aninho: queríamos escrever tantas coisas para poder retribuir toda a imensa alegria que trouxeste para estas duas criaturinhas que fizeram a coisa mais acertada de suas vidas: ter um filho! Mas parece árdua tarefa, ao mesmo tempo que aprendemos tanto neste primeiro ano, ainda há tanto a aprender…

Primeiro queremos te contar que foste um plano que nós, teus pais, desde namoradinhos, tínhamos: ter um Pedro! Era assim, sem sombra de dúvidas: serias um Pedro ou uma Ana Luiza e serias colorado. O resto tudo podes escolher. Lutaremos sempre para que este mundo seja um lugar no qual tu possas ter a mais ampla liberdade para tuas escolhas e que para que tu sejas muito, muito amado e feliz, assim como nossos pais, teus avós, também o fizeram por nós.

Aliás, há exatamente um ano atrás era essa pequena família – teus 4 avós, os dindos e nós – que estava lá reunida no Hospital para te ver nascer. Todos ansiosos para ver aquele gurizinho que já nas ecografias demonstrava que seria bem saudável e que, com a benção de Deus e a ajuda inestimável dos Drs. Eduardo Passos e Ruy Alencastro, nasceu muitíssimo bem as 22h22min, do dia 17.11.2010, pesando 3,550, muito bem distribuídos em 51cm da mais pura fofurice!

Neste primeiro ano cresceste de forma inacreditável para nós pais de primeira viagem: de bezerrinho mamao passaste a um gurizinho que come até churrasco e feijão, de ficar deitado de bruços feito um tatuzinho bola sem se mexer no meio da nossa cama passaste a correr pela casa toda, de só chorinhos passaste a falar teu bebenês ininteligível e ensaiar as primeiras palavras “papá”, “mamá”. Se é papai e mamãe ou comida e mamar, ainda não sabemos, mas achamos tudo muito lindo!

Estamos todos encantados com tuas traquinagens e surpresinhas diárias e felizes em acompanhar de perto teus passinhos rumo a um futuro que acreditamos, será cada dia melhor.

Filhinho querido, nós teus pais, te amamos muito e, além de muito amor e carinho, acreditamos que educação e conhecimento são as portas de acesso às escolhas de vida que são o maior presente que poderemos te dar e por isso uma boa educação para ti será sempre a nossa prioridade e o nosso objetivo.

Educar não é fácil, sabemos, mas estamos sempre nos preparando e tu és um estímulo diário para isso. Queremos que tu tenhas escolhas, mas nesse início de vida, provavelmente muitas dessas escolhas serão feitas por nós até que tu tenhas a maturidade de fazer as tuas proprias e talvez fiques brabo com isso. É, “na longa estrada da vida” teremos que te dizer alguns nãos, te impor alguns limites e também vamos errar algumas vezes. Talvez a gente te sufoque um pouco com o nosso amor, mas nunca sofrerás por falta dele. Mas te asseguramos que quando chegar a hora, tu terás direito as tuas escolhas e nosso único pedido então será que te mantenhas sempre fiel aos teus princípios e, claro, ao Inter, prometemos que não vais te arrepender.

Que Deus te abençoe e te ilumine.

Com carinho, dos pais que muito te amam.

Piscar de olhos

3 Comentários

Arquivado em Crescimento, Crescimento (dos pais!), Família

A Gota D’Água

Amanhã o Pedro faz 1 aninho e o pai dele e eu prometemos que vamos nos esforçar para lhe dar um presente incrível.

É isso mesmo, queremos mimar o guri!

Este presente é realmente o melhor e nós devemos nos esforçar para dar a ele não apenas no dia do aniversário, mas TODOS os dias!

Trata-se de um mundo melhor!

As vezes parece complicado, mas nossos filhos merecem. Então, como prometemos, vamos tentar dar de presente um planeta melhor para ele sempre e dar o nosso melhor para isso.

O bom desse presente é que serve também para nós e para todos que amamos!

Para começar tem uma receita fácil que eu “roubei” do meu amigo Chico: “Faça o bem e faça bem, sempre!”

Por outro lado, há as iniciativas para tentar frear o que de ruim está sendo feito, uma delas é esse vídeo sobre o que está acontecendo em Belo Monte:

http://vimeo.com/32115701

Acesse, assine, divulgue e apóie!

É claro que ele merece!

1 comentário

Arquivado em Educação

#ficadica : bichinhos de pelúcia

As andancas atras das coisas para festinha do primeiro ano do Pedro se encerraram oficialmente! E devo confessar que eu me envolvi ate o ultimo fio dos meus cabelos, cada dia mais brancos. E aprendi muito. A última licao que tive e ora compartilho com voces foi a seguinte: a melhor epoca para comprar bichinhos de pelucia é antes do Dia dos Namorados!

Sim, existe uma época boa para plantar, uma època boa para colher e existe tambèm uma boa època para comprar bichinhos de pelùcia e esta época é antes do Dia dos Namorados! Assim eu soube por meio de uma vendedora que tentava me explicar o porque da minha dificuldade na busca pelos pinguins de pelucia para festa do Pedro. Achei aquilo de uma fofurice ímpar e tambem de certa forma me serviu como um alerta.

Eu estava indo longe demais naquela busca por pinguins! O guri está com a mania da música do Pinguim da Arca de Noé (“Bom dia pinguim! Onde vais assim? Com ar apressado?”), mas assim como hoje está apaixonado por esta, jà esteve pelo Pato Pateta e pela Foca, entao porque nao mudar o tema da festa para “O Grande Circo da Arca de Noé hoje traz para vocês…”? Poderia incluir todos os bichos (afinal tinha na Arca), o Noé e, ainda, elementos circences! Pronto! Seu problemas acabaram!

Mas antes que virasse tudo um grande carnaval, ou melhor, um pequeno carnavalzinho o que iria um pouco de encontro com a proposta da festa, recebi uma ligaçao salvadora de uma amiga sabedora de meu drama! Há pinguins lindos e de todos os tamanhos num lugar de fácil acesso, com ar condicionado e estacionamento! Trata-se de uma loja no Shopping Total chamada Zooclub.

Fui lá imediatamente e ali meus problemas acabaram! Trata-se do maravilhoso mundo dos bichos de pelúcias em Porto Alegre! Há todos os tipos e tamanhos de bichinhos de pelúcia, preços camaradas e lá aceitam todos os tipos de cartao, inclusive oferecem parcelar até o aniversário de 2 anos do Pedro!

Bom, agora chega de bobagem. Agora, comeca de verdade a contagem regressiva para o grande dia!

 

Zooclub – Bichinhos de Pelúcia

Shopping Total

Avenida Cristovao Colombo, 545, Loja 2211

Bairro Floresta

Porto Alegre, RS

 

 

1 comentário

Arquivado em Útil Fútil, Compras, Festinha

#ficadica : As Piquititas

Guriasssss!!! Essa dica vai para as que encaram “Linna”, “Big Festas” e afins. Nas andanças atrás de cositas para festinha do Pedro, uma amiga muito querida, criativa e com o melhor humor do mundo me levou para conhecer a loja “As Piquititas” (Rua José de Alencar, 1348, Térreo, Menino Deus). É assim mesmo com esse monte de “is”. Um amontoado de coisas, ao melhor estilo 1,99. Lá dentro tem de tudo: brinquedos, artigos para festas, bichinhos de pelúcia, uma linha completíssima dos “Hot Wheels” (miniaturas de carrinhos que os gurizinhos adoram colecionar) entre outro zilhões de bugigangas, incluindo uma seção de papelaria e coisas para a casa!

Se você resolver se aventurar por lá fique com o conselho que recebi de uma expert: não leve bolsa! Nas “Pequititas” há várias placas dizendo “Se quebrar paga” e os corredores são estreitos e cobertos de coisas, então quanto menos “volume”, melhor. Além disso tem bastante pó (nunca que eles vão achar uma faxineira que encare limpar aquele lugar!), então se você tiver rinite como eu, tome um anti-histamínico profilático.

Mas – apesar dessas observações – a visita vale a pena pela variedade de coisas que você encontra para a festa e pelos preços (imbatíveis).

Eu estava atrás de brinquedinhos para colocar nas lembrancinhas e  para colocar no balão surpresa. Como a festinha do meu nenê – que já está quase um “hominho” (ai que medo!) – vai ser bem “piquitita”, apenas família e alguns poucos amigos, resolvi fazer lembrancinhas personalizadas para cada uma das crianças, de acordo com as idades e preferências. Lá eu consegui brinquedos para praticamente todas as faixas etárias, só não vou elencá-los aqui para não estragar a surpresa!

E só lá eu consegui os itens para o balão-surpresa, nesse ponto não tem lugar melhor!  Escolher brinquedinhos para balão-surpresa não é uma tarefa simples: os brinquedos devem ser suficientemente leves para não quebrarem a cabeça de nenhuma criança, pequenos o bastante para entrarem no balão e não tão pequenos que as crianças possam engolir e se engasgar. Ou seja, muita cautela na escolha, para não transformar a festa em tragédia!

Essa “busca” pelos itens para encher o balão foi difícil, mas minha amiga Fernanda (as Fernandas são sempre formidáveis) e a sua “As Pequititas” me salvaram! Difícil também será conseguir o “tio fumante” para furar o balão-surpresa, pois se ainda existir algum(a), provavelmente estará fumando escondido em algum lugar…

Quase 1 aninho e um exagero de fofurice!

P.S.: Estou tentando escrever sobre PARTO, se alguém quiser contribuir com algum dado, depoimento pessoal, vídeo, referência bibliográfica, etc., eu agradeço. E-mails para mlbbs@via-rs.net

2 Comentários

Arquivado em Útil Fútil, Festinha